O que é Bloco K e como realizar na sua empresa

By in ,
629
O que é Bloco K e como realizar na sua empresa

Para empresários e gestores, entender o que é Bloco K é fundamental para a saúde financeira e para o cumprimento das obrigações contábeis. Certamente, quem trabalha com gestão já ouviu falar sobre esse tema. No entanto, muitos ainda têm dúvidas sobre ele!

Na realidade, o Bloco K faz parte da prestação de contas mensal que as organizações devem fazer no SPED (Sistema Público de Escrituração Digital). Com a digitalização do controle fiscal, o Bloco K veio para ocupar o lugar do antigo Livro Registro de Controle da Produção e do Estoque.

Porém, para assimilar o que é Bloco K, primeiro é preciso compreender o que é o SPED. Assim, saiba que SPED é uma plataforma online do governo para receber informações que vão servir de parâmetro para a cobrança de impostos.

Dessa forma, essa interface captura, valida, guarda e autentica os documentos de escrituração contábil e fiscal. Além desse bloco, existem vários outros, cada um deles voltado a uma área corporativa.

No caso do Bloco K, as informações colhidas são referentes ao estoque, despesas com matérias-primas e insumos utilizados na rotina produtiva. Quer conhecer mais detalhes? Então confira nosso post!

O que é Bloco K?

Por meio do SPED, as empresas conseguem fazer a EFD (Escrituração Fiscal Digital). Nesse contexto, o Bloco K é um espaço dentro do programa para uma corporação informar ao fisco dados que envolvem produção e uso de matéria-prima. Nesse caso, os registros repassados funcionam como base para o cálculo de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

Ou seja, é uma etapa relevante da gestão financeira e contábil. Afinal, no Bloco K constarão anotações ligadas à produção, ao uso de insumos e ao registro de estoque escriturado. Mas o SPED tem outros tipos de blocos? Sim! Por exemplo: existe o Bloco B (Escrituração e Apuração do ISS). Também podemos citar o Bloco G (Controle do Crédito de ICMS do Ativo Permanente). Mais um exemplo é o Bloco H (Inventário Físico), entre outros. Porém, hoje nosso foco é entender o que é Bloco K. Assim, veja os dados que a empresa deve transmitir nesse espaço do SPED.

  • quantidade de mercadoria produzida;
  • materiais utilizados na produção em terceiros;
  • quantidade produzida em terceiros;
  • movimentações internas de estoque que não estejam diretamente relacionados à produção;
  • materiais de propriedade da empresa e em seu poder;
  • insumos de propriedade da empresa e em poder de terceiros;
  • matéria-prima de propriedade de terceiros em poder da empresa;
  • lista de materiais de todos os produtos usados na produção própria e em terceiros.

Por que ele é importante?

Ao entender o que é Bloco K e cumprir suas exigências corretamente, a empresa consegue evitar penalidades como interdições e multas. Mas não é só isso: esse trecho da Escrituração Fiscal Digital ajuda a colocar a organização no rumo certo em direção às boas práticas de governança e à responsabilidade social e empresarial.

Afinal, quando essa norma é desobedecida, as companhias podem cair na malha fina. Assim, elas ficam sujeitas a processos judiciais por ilícitos fiscais e sonegação de impostos.

Quais empresas devem preencher o Bloco K?

Assim como o balanço patrimonial de uma empresa, o bloco K é uma obrigação contábil das organizações. Nesse contexto, ele está regulamentado pela Lei 13.874/2019, que afirma que todas as empresas atacadistas, indústrias e estabelecimentos equiparados são obrigados a entregar o bloco K todos os meses.

Entretanto, os cadastrados como MEIs (Microempreendedor Individual) e as empresas tributadas pelo Simples Nacional estão isentas dessa imposição.

Como realizar o Bloco K?

Por mais que haja uma obrigação legal, fazer o Bloco K também contribui para a estratégia do negócio e sua gestão de indicadores. Afinal, a organização acaba monitorando melhor dados sensíveis para o sucesso operacional: insumos perdidos, compras superdimensionadas, nível atual de matéria-prima armazenada etc.

Nesse contexto, muitas organizações vêm escolhendo uma parceria com empresas de consultoria empresarial. Assim, é possível reduzir os erros na elaboração do Bloco K e ainda aproveitar esse documento como referência para a tomada de decisões. A seguir, preparamos um pequeno passo a passo sobre como funciona a produção desse relatório. Confira!

  • Cadastro do produto e sua estrutura: registre todas as mercadorias de acordo com a tabela padrão do sistema. Nesse sentido, lembre-se de anotar a estrutura de cada produto e os insumos usados em sua confecção. Além disso, não se esqueça de apontar o volume de matéria-prima inutilizada;
  • Controle de estoque e movimentação: além de pontuar todas as entradas e saídas, a companhia deve listar os itens de sua propriedade que estão guardados nas instalações dos fornecedores da empresa;
  • Monitoramento das ordens de produção: esse documento é fundamental para comprovar a totalidade da produção e o saldo de materiais que de fato foram remetidos para o processo de fabricação.

E aí? Conseguiu entender direitinho o que é Bloco K? Trata-se de um documento indispensável para não tomar multas nem ter as atividades suspensas. Assim, com disciplina e organização, a companhia cumpre suas obrigações legais e fica tranquila em relação ao fisco.

Por falar em situação contábil e fiscal em ordem, que tal ficar sempre por dentro das novidades dessa área? É simples: siga a gente nas redes sociais! Você encontra a PGBR no Facebook, a PGBR no Instagram e a PGBR no LinkedIn.

 


54321
(0 votes. Average 0 of 5)
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *